Nada melhor do que receber um dinheiro inesperado quando está desempregado, não é mesmo? Mas se você chegou até esse tópico, devo dizer que você já tem uma boa base para entender como se organizar financeiramente, mesmo que receba somente um retorno financeiro de um trabalho extra.

Ao deparar com uma quantia considerável, vinda de verba rescisória e demais benefícios, muitas pessoas se iludem e cogitam trocar o carro ou reformar a casa, por exemplo. Mas nesse momento, sem uma renda fixa, esse dinheiro é seu único recurso para tudo o que você irá fazer dali pra frente. Então todo cuidado é pouco e acredite fazer uma reforma ou trocar de veículo não serão investimentos nesse momento.

O ideal é se organizar contando com o dinheiro recebido para poder se reestruturar futuramente, ou seja, organizar suas contas, de preferência da maior para a menor e começar a pagá-las na ordem, respeitando as taxas de juros, o valor por mês e a quantidade de parcelas. Após quitar todas as pendências, um investimento poderá ser uma ótima opção.

Eu posso investir e pagar minhas contas ao mesmo tempo?

O ideal é que você faça uma coisa de cada vez, não adianta querer investir enquanto ainda possui dívidas com juros altíssimos que estão atrapalhando o seu orçamento. É sempre bom lembrar que isso vai de caso para caso e é necessário avaliar detalhadamente cada um.

Se depois do pagamento das dívidas você ainda possuir um valor que não irá mais utilizar e pode guardar, faça isso o quanto antes. Ter uma reserva de emergência é essencial para casos emergenciais, como saúde por exemplo.

Fundo de emergência

É claro que quando não se tem qualquer tipo de renda ou uma que não é fixa, fica quase impossível pensar em uma quantia que você deixaria como reserva de emergência. Mas se isso fosse pensado antes de se deparar com um desemprego, você poderia estar seguro até pelo menos daqui uns três meses.

Ao contrário que muitos pensam, separar um valor de segurança para possíveis imprevistos não é tão difícil assim. O ideal é que, de primeiro momento, ao receber um dinheiro você pague o que deve para aí sim poder investir no que achar justo. Então, quitou as dívidas? Bora guardar!

Esse fundo serve como uma garantia que manterá o seu estilo de vida até você conseguir uma nova colocação no mercado de trabalho. Saúde e desemprego são as principais causas de uma busca rápida ao dinheiro que estaria guardado, são imprevistos então não há como saber quando precisará usá-los, mas podem acontecer a qualquer momento e você precisa estar preparado.

Essa etapa não se torna difícil pelo fato de ser uma necessidade e assim que você começar a poupar 10%, 20% ou 30% do que tem recebido, poderá ter segurança para investir. Mas nada de separar a quantia que pagaria a conta de luz, de água ou o aluguel, a reserva de emergência é para quando você já estiver se sentindo confortável e seguro financeiramente.

E se você acha que está sozinho nessa e que é o único que nunca pensou em ter um fundo como esse, fique tranquilo. De acordo com uma pesquisa do Datafolha referente a 2017, cerca de 65% da população brasileira, não tem um montante para os imprevistos e isso significa 136 milhões de brasileiros.

Mas este ebook é exatamente para que você não faça parte desse número, então assim que tudo estiver encaminhado, com suas finanças em dia, não se esqueça de pensar na sua reserva de emergência para que o desemprego não te pegue de surpresa. 

Como o ideal é reservar essa quantia de fato somente após conseguir uma boa segurança financeira, é importante se atentar aos detalhes que irão te empregar. Como por exemplo, o seu próprio currículo.

Se você gostou desse post, fique ligado no nosso conteúdo sobre Educação Financeira disponível aqui no Blog.

Até mais.